Conheça os Usos

Há milhares de anos, os chineses, egípcios e árabes iniciaram a arte de extrair e fazer uso dos
óleos essenciais (oes).
Mas o termo Aromaterapia só surgiria em 1920 por René-Maurice Gattefossé, Ph.D., um químico francês. E atualmente conta com o reconhecimento da Organização Mundial da Saúde (OMS) como forma de tratamento, que propicia harmonia entre corpo-mente.

Óleos essenciais são pequenas gotas entre as células vegetais de folhas, flores, frutos, raízes, gramíneas, resinas. Essas gotículas agem como hormônios, reguladores e catalisadores. O aroma exalado é geralmente muito agradável, pois serve de defesa à vírus, bactérias e micróbios que somente proliferam em ambientes fétidos.

A Aromaterapia utiliza-se somente de óleos essenciais 100% natural e vegetal
Importante para que haja uma troca orgânica tanto em sinergia entre os elementos (composição), como na sinergia vital entre a essência e o indivíduo a ser tratado.

Note que todo óleo essencial é uma essência. Porém, nem toda essência é um óleo essencial!

A Aromacologia, se diferencia por utilizar aromas que não são necessariamente naturais, mas também utiliza aromas sintéticos, pois trabalha com memórias olfativas, sem exercer uma troca mais profunda e orgânica como acontece com a Aromaterapia.
Outro termo é a Aromatologia, que busca conhecimentos em outras áreas (como fitoterapia, química, medicina, etc) para um entendimento e aplicação mais ampla dos óleos essenciais e derivados.

Neste site, Arom'Arte, trata-se de Aromaterapia embasada em novos conhecimentos da Aromatologia.

A ação dos óleos essenciais é holística (trabalha o todo):

  1. O primeiro contato é geralmente o olfativo, e tem ação sobre a mente primitiva, o sistema límbico, descortinando e tratando das emoções.
  2. Em segundo uma ação semelhante a alopatia devido a composição química dos oes e de suas propriedades antissépticas, estimulantes, calmantes, antivirais, antinflamatórias, imunoestimulantes, entre outras, agindo no corpo físico.
  3. E não menos importante, age no nível de informação e energia/frequência vibracional a exemplo da ação dos Florais.

 

O que determina em muito a eficácia dos óleos essenciais é a sua aplicação. Vamos conhecer os diferentes tipos de usos:

Inalação

 

A inalação é uma das mais importantes vias de ação da Aromaterapia já que é sentida na maior parte dos usos.
É considerado um dos usos mais seguros, e tem rápida ação, principalmente quando o que se deseja é tratar emoções (acalmar, revitalizar, equilibrar) ou amenizar problemas respiratórios. Através da inalação chega-se a pulmões e corrente sanguínea, tratando enfermidades e substituindo o uso oral, quando necessário.
A inalação se dá pelo simples ato de aspirar o oe do próprio frasco, ou gotejando em um lenço. Porém, o que dificulta nisso é ter constância em tempo e regularidade para que se torne de fato eficaz. Pensando nisso, Arom'Arte criou o Inspira, um acessório bem simples e muito eficiente para a inalação a frio. Estando com o Inspira é o próprio órgão olfativo – o nariz - que conforme condução natural, irá fazer a difusão dos óleos essenciais ao sistema límbico/sistema nervoso e a pulmões/corrente sanguínea, obtendo ótimos resultados por ser esta uma forma direta, prática e fácil. Com o Inspira os efeitos são rápidos e mais intensos portanto requer-se pouco tempo de uso - 15 a 20 minutos usados de 1 a 3x costumam ser suficientes para notar-se efeitos.
Clique aqui e conheça mais detalhes sobre o Inspira. 

Os colares aromáticos também conhecidos por difusores pessoais - confeccionados geralmente em cerâmica, vidro, cristal ou prata são ideais para o uso durante o dia, pois mantém uma inalação mais suave e por longo tempo. A Arom'Arte possui a linha de colares Graal.

Sugiro inalação ou vaporização à quente/úmida (a maneira clássica é um recipiente contendo água quente, medida de 1 gota para cada litro de água, cobre-se a cabeça com uma toalha e fecha-se os olhos - igualmente serve como sauna facial!), em casos de sinusite, estado gripal ou problemas respiratórios que com o calor necessite da expansão dos brônquios. Mas na maioria dos casos de inalação pessoal, use os óleos essenciais a frio.

Ambiente

Para o ambiente há difusores como os de tomada elétrico, que difundem o aroma em temperatura baixa e estável, sem deixar resíduos e são econômicos. Há também modelos de difusores com vaporização a frio. Já os rechauds que utilizam vela são menos indicados, pois super aquecem deixando um indesejado e queimado resíduo de óleo ao final.
Difusores, pout-pourris de folhas e flores, feltros, filtros de papel mata-borrão, pastilhas de material poroso, varetas de bambu, cordões de algodão e sprays borrifadores são algumas ideias para difusão na casa ou para que fiquem próximos das pessoas em seu ambiente de trabalho.

Os difusores de ambiente podem servir como apoio, mas não são tão eficientes quando se requer uma ação direta (como com o Inspira ou outro método direto) ou com a frequência que os colares proporcionam.

Borrifadores - os óleos essenciais são diluídos em álcool (preferencialmente de cereais), e acrescenta-se água (preferência destilada), 20 a 80% de água (à gosto!). Dos óleos essenciais, use de 3 a 5% (para cálculo, 1ml=22 gotas). Os sprays borrifados no ambiente espalham alegria, dissipando as energias não-legais, estagnadas ou agitadas (como excessiva atividade mental) pois liberam íons negativos (o mesmo que te faz revigorar próximo a uma cachoeira, árvores e florestas). Limpa, perfuma, harmoniza.
Da mesma maneira pode utilizar como borrifador aúrico, feche os olhos e borrife do alto de sua cabeça, fazendo uma delicada chuvinha perfumada e cheia de astral! Lembre-se de agitar bem antes de cada uso.

Massagem

As massagens são estímulos mecânicos com finalidade terapêutica ou estética, e os óleos essenciais contribuem de forma especial: são imunoestimulantes, liberam endorfinas (hormônios do bem estar), oxigenam as células, são antioxidantes, eliminam toxinas (através da urina), hidratam, aliviam dores, relaxam/revitalizam, e atendem a finalidades específicas conforme a escolha dos óleos. Além de tudo isso sua pele respira junto aos óleos, refletindo na circulação que por sua vez refletirá na mudança de padrões emocionais.

Para as massagens usa-se comumente a diluição dos óleos essenciais em óleos vegetais a 3%, mas há variações dependendo da ação desejada. Clique aqui, onde explico sobre diluição dos óleos essenciais para massagens.
Importante frisar que em Aromaterapia não se utiliza óleos minerais, por isso, preste atenção ao rótulos de óleos e cremes citando mineral oil ou paraffin oil. Óleos minerais ficam sobre a superfície da pele, e por serem derivados de petróleo não existe um consenso sobre a neutralidade ou prejuízo para a saúde humana. De qualquer maneira, não são destinados à Aromaterapia, pois não há troca orgânica.

Óleos vegetais são os 'carreadores' ou 'carregadores' pois tem a função de carregar para dentro da pele os ativos dos óleos essenciais, atingindo até a corrente sanguínea através da porosidade da pele, do calor e pressão da massagem. Chegar à corrente sanguínea dependerá da temperatura do corpo (mais quente=poros mais abertos), e das barreiras de adiposidade.

A massagem nos pés e/ou mãos (reflexologia) - e na extensão da coluna também tem efeitos muito interessantes para a abrangência de órgãos.

Banhos

Um banho morno/quente nos dias de frio ou uma água fresca no verão já é por si revigorante, somando aos óleos essenciais então... dá para imaginar o quanto melhor isso fica, não?

  • Durante a ducha, coloque 1 gota no piso do banheiro, o aroma sobe com intensidade, por isso inicie sempre com 1 gota, e vá adicionado mais ao longo da ducha, se necessário.
  • Óleo essencial de lavanda puro ou outros em diluição de óleo vegetal (como os óleos de massagem) podem ser colocados diretamente na bucha vegetal, use em todo corpo antes do último enxague para sair também com a pele hidratada.
  • Para banhos de banheira, utiliza-se em torno de 10 gotas de óleo essencial. Como não se misturam à agua, dilua- os antes em mel ou sabonete líquido neutro.
  • Banhos de assento são indicados para assepsia, prevenção e tratamento de problemas urogenitais. Para cada litro, use um total de 3 a 5 gotas de um ou mais óleos essenciais. Os mais indicados são oes de tea tree, lavanda, cipreste, ylang ylang, bergamota, camomila.
  • E tem o banho dos pés - o escalda-pés! Dizem os chineses:pés quentes=cabeça fria. Utilizado para amenizar stress, hiperatividade mental, dores nas pernas/pés e resfriados. Veja mais detalhes neste post.
  • Além disso, sabonetes artesanais com adição de com óleos essenciais ou em shampoos, condicionadores, talcos, géis e argilas são parte de cuidados específicos.
Compressas

Utilizadas para dores localizadas, febre, inflamações. Utiliza-se de 3 a 5 gotas para cada 200ml de água fria ou quente (conforme o caso), agita-se esta água e umedece em toalha para aplicação local.

Uso Oral

Pouco difundida nas Américas, e utilizada mais amplamente em países Europeus, onde também existe uma legislação específica para uso. No tratamento oral leva-se em conta a química orgânica dos óleos essenciais.

Oligoaroma

Uma forma de uso bem parecida com o Floral. Como a quantidade de óleo essencial é pequena para ter efeito orgânico, a ação se dá pela sua parte vibracional. Há sistemas próprios de Oligoaroma, mas em geral 1 gota de óleo essencial para cada 30ml a 50ml de água, ingeridos 3 a 4 gotas 4 x/dia são indicados.

Culinária

Podemos temperar azeites, geléias, licores, chás e sucos com óleos essenciais. Para evitar a volatização dos oes, dá-se preferência a usá-los em preparações frias. No calor refresque-se colocando 1 gota de oe de hortelã-pimenta em 1 litro de água ou suco natural, acrescente também 2 a 5 gotas de oes de limão ou laranja ou tangerina! No azeite 3 gotas em 500ml (use a princípio uma quantidade menor para testar seu gosto), de manjericão verde, tomilho, alecrim...

Perfumaria

Os óleos essenciais deram inicio à Perfumaria Natural, muito tempo antes que o desenvolvimento das essências sintéticas substituissem grande parte dos aromas naturais. Alguns perfumistas ainda trabalham de forma artesanal unicamente com aromas naturais, dentre os quais muitos tem em conjunto um foco terapêutico, elaborando perfumes únicos para cada perfil.

Cosméticos

Os ativos dos oes podem ter característica: antioxidante, adstringente, hidratante, citofilático, desodorizante, desintoxicante, cicatrizante, bactericida, hipoalergênico, etc - por isso são amplamente utilizados como ingredientes básicos de cosméticos industriais.

Importante:

O uso de óleos essenciais requer atenção especial no caso de hipertensos, epilépticos, gestantes, idosos e crianças. Informe-se sempre sobre as precauções de cada óleo essencial, e o método mais adequado de uso para cada caso.

Ao serem inaladas, as moléculas perfumadas dos óleos essenciais são levadas diretamente ao epitélio olfativo (próximo ao bulbo olfatório) onde os componentes químicos inalados
decodificam-se, gerando impulsos neurológicos.

São 2 vias distintas e que ocorrem quase que simultaneamente:

1-aromas>nariz>membranas mucosas>pulmões>corrente sanguínea = efeitos fisiológicos.
2-aromas>nariz>cavidade nasal>bulbo olfatório>sinal eletroquímico>sistema límbico>hipocampo> hipotálamo> sistema endócrino e nervoso = efeitos emocionais
.